quinta-feira, 14 de agosto de 2014

O sonho não acabou

14/08/2014

O Nordeste tem uma dívida com o Brasil, nas últimas décadas os nordestinos que estiveram na Presidência da República não representaram o caráter do povo nordestino brasileiro. Tivemos uma oportunidade de levar à presidência Eduardo Campos, mas uma tragédia nos impediu, quem sabe talvez pudéssemos nos redimir com a nação brasileira, elegendo um presidente ético, empreendedor, pouco falastrão, menos manipulado, democrático e menos manipulador da opinião pública. Ainda não foi dessa vez e não será até 2018. Não veio até agora na minha memória outro nordestino que pudesse chegar ao Planalto para governar o Brasil como os brasileiros exigem. Help Brasil!

Estamos diante de um sistema de governo arcaico com engrenagens pesadas que emperram a máquina administrativa ao ponto de não conseguirmos acompanhar em alguns índices fundamentais a economia e  as oportunidades que o mundo moderno nos oferece.

Não podemos pensar que somos uma grande Nação quando sabemos os índices da educação, saúde, nutrição, segurança, industrialização nacional, entre outros que se assemelham aos países africanos subdesenvolvidos. Fica difícil entender uma socialização de rendas com características de esmolas. Bolsa família não tem nada com distribuição de riquezas, estas ficam com o beneficiado, riqueza não evapora com a descontinuidade de um programa. Precisamos de execução de projetos que garantam riquezas para a nação e não fortunas para poucos. Um país que produz muito de forma adequada, dita regras para o comércio mundial, o Brasil tem potencial para ser a maior nação produtiva do mundo. Os milhares de brasileiros que saíram da miséria com o bolsa família voltarão para ela no dia seguinte ao fim da referida bolsa, então não distribuíram riquezas, deram esmolas e quem dar esmola não dar futuro. Quem assumir hoje terá que assumir esta desgraça implantada propositadamente.

Como nosso povo pensa pequeno, se encanta com pouca coisa e deixam um mundo de oportunidades valiosas passar debaixo do seu nariz e não move uma palha para aproveitá-lo. Afirmo que, sem educação doméstica e acadêmica jamais seremos uma grande Nação. Vou seguir o conselho: Não vou desistir do Brasil, é aqui que vou terminar de educar meus filhos e viver o que me resta de vida com dignidade. O sonho não acabou.

(Teófilo Fernandes, brasileiro)