domingo, 1 de março de 2015

Tratamento oncológico para humanos e pets com a mesma substância - Lomustina (Citostal)

Bichos: quimioterapia pode ajudar pets com câncer
 
Cães e gatos em tratamento contra câncer passam a contar com quimioterápico
Carmen Vasconcelos (carmen.vasconcelos@redebahia.com.br)

28/02/2015 07:38:00
Uma boa notícia do mercado farmacêutico humano chegou para ajudar a tratar os animais de estimação, especialmente os cães e gatos que enfrentam a luta contra o câncer. Trata-se da nova apresentação da medicação Lomustina, usada como quimioterápico para humanos, que agora tem uma versão manipulada para pets.
De acordo com a farmacêutica Thereza Denes, da DrogaVet, a grande vantagem é que o tratamento do animal vai na dose certa e dentro das especificações determinadas pelo veterinário.  “Até então, quando o animal necessitava do tratamento, precisava contar com o fracionamento manual feito com a versão humana, que representa risco para quem manipula e nem sempre alcança a dose certa para o pet”, completa.
Segundo o médico veterinário, especialista em oncologia, Mário Jorge Melhor, a Lomustina é amplamente usada para tratar diversos tipos de problemas oncológicos, sendo o linfoma o mais comum. “É uma droga muito importante no resgate de pacientes que trataram o linfoma, mas voltaram a apresentar a doença. Como ela está difícil de ser encontrada no mercado, é importante que venha na dose certa”, esclarece o médico.
Toda a fabricação da versão veterinária desse antineoplásico é feita numa área especial para ser bem manipulado, garantindo a biossegurança e a bioequivalência do produto. Embora existam franquias da DrogaVet em todo o Brasil, inclusive em Salvador, a comercialização da Lomustina veterinária é feita apenas nas sedes de Brasília, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto e São Paulo. “Apesar disso, garantimos a entrega para todo o Brasil”, esclarece.
No que diz respeito aos valores do tratamento, Thereza Denes diz que ele vai variar segundo o tipo e o tempo da quimioterapia. “O que é fácil de garantir é que, manipulado, o valor será menor que o industrializado usado por humanos”, diz, ressaltando que especificamente para a substância a administração é feita em cápsulas para uso oral.
A Lomustina exige cuidados especiais naqueles bichos que apresentam alguma alteração no fígado, além de poder apresentar outros efeitos colaterais. Atualmente, além da quimioterapia, cães e gatos são tratados com cirurgia para retirada do tumor, quimioterapia metronômica, eletroquimioterapia e a terapia com anti-inflamatórios.
Segundo Mário Jorge, cada caso exige um tratamento específico. “Entre os cães, os tipos mais comuns de câncer são os de mama, pele e os linfomas. Já nos gatos são os linfomas intestinais, tumores orais e os de mama”, finaliza o veterinário.
Procurado pela reportagem, o laboratório Bristol-Myers Squibb informou em nota que o medicamento Citostal® nas apresentações de 10 mg e  40 mg está em falta temporária. “Estamos trabalhando com empenho a fim de resolver essa situação de forma ágil, para que todas as solicitações por esse produto possam ser atendidas e, assim, o compromisso de respeito à saúde e bem-estar dos consumidores seja mantido”.
A comunicação da empresa pontua ainda que a  previsão é que a comercialização do produto fosse normalizada a partir de dezembro de 2014. “Salientamos que essa previsão depende de aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa do novo fornecedor de matéria- prima”.